Dicas de Viagem

Descubra o Brasil com turismo pelas cidades históricas

turismo

Você sabia que 77% dos brasileiros avaliam o turismo pelas cidades históricas como uma motivação importante para viajar? A pesquisa da Booking.com confirma o crescente interesse por destinos que mesclam diversão e pitadas de conhecimento.

Segundo análise do Sebrae, algumas localidades se sobressaem pela preservação do patrimônio histórico e cultural, com uma qualificada oferta de comércio e serviços no entorno. Conheça oito pontos que merecem a visita.

Destaques do turismo pelas cidades históricas

1 – Paraty (RJ)

Quem visita a cidade encontra um centro histórico bem preservado, com lindos casarões e igrejas seculares, além de uma agenda de festivais culturais e, claro, as praias. Um passeio de barco para as ilhas Comprida, do Pelado ou de Cataguases permite curtir águas cristalinas e paisagens deslumbrantes. O município ainda é palco de eventos relevantes como o 10º Encontro Brasileiro das Cidades Brasileiras Patrimônio Mundial da Unesco, ocorrido no início de agosto.

2 – Petrópolis (RJ)

Petrópolis faz parte do Caminho Novo da Estrada Real, que foi aberto depois do Caminho do Ouro, para ligar de forma mais segura Ouro Preto ao porto do Rio de Janeiro. Dois pontos, em particular, ajudam a retratar a era da monarquia no Brasil. Um deles é o Museu Imperial fundado por Dom Pedro II, com direito a jardins, espaços para exposições, cafeteria e lojinha. Já o Palácio de Cristal, inspirado em espaços de Londres e da Cidade do Porto, foi um presente do Conde d´Eu para a Princesa Isabel.

3 – Ouro Preto (MG)

Ouro Preto tem grande importância histórica para o país, por ter sido um local central na época da Corrida do Ouro, com a extração do metal e pedras preciosas na região. Mas muito além do vil-metal, o destino é um autêntico santuário da arquitetura colonial brasileira, com a arte barroca presente em pelo menos 20 igrejas e capelas.

4 – Tiradentes (MG)

A fundação de Tiradentes ocorreu no início do século 18. Com seu conjunto arquitetônico tombado, é possível reconhecer as construções da época nos edifícios, igrejas e ruas de pedra do centro histórico. Mas a melhor dica é apreciar museus como o de Sant´Ana, instalado em uma antiga cadeia pública que funcionou até 1989, e reúne mais de 300 imagens da Santa Maria. Já o Museu da Liturgia abriga 400 peças utilizadas em festividades católicas desde 1800. 

5 – São Luís (MA)

A capital maranhense reserva muito mais que praias e falésias exuberantes. E não faltam influências europeias no município, fundado pelos franceses em 1612, invadido pelos holandeses e colonizado por Portugal. Mas a marca dos nossos patrícios parece mais evidente, com quase 4 mil casarões que preservam a típica arquitetura lusitana dos séculos 18 e 19. O Museu Histórico e Artístico ajuda a contar essa história em um acervo com 10 mil obras, entre azulejos, esculturas e livros.

6 – Olinda (PE)

A Igreja da Sé, a maior da sua época, e o Convento de São Francisco, construídos ainda no século 16, fazem parte de um conjunto que fez de Olinda o segundo centro histórico do Brasil a ser declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, em 1982. Fica a dica para curtir o Museu do Mamulengo, que possibilita conhecer a origem de um típico fantoche pernambucano. E quem deseja exercitar a fé tem como visita obrigatória o convento franciscano mais antigo do Brasil, erguido em 1585.

7 – São Cristóvão (SE)

Entre 1580 e 1640, Portugal e Espanha formavam uma única coroa, que julgou estratégico dominar a área entre Salvador e Olinda. Foi então que São Cristóvão, a quarta cidade mais antiga do Brasil e tombada pelo Iphan desde 1967, foi fundada. Foi a primeira capital do estado de Sergipe. Vale conferir o Memorial de Irmã Dulce, que relembra a permanência da freira no convento de São Cristóvão por um ano e sete meses. Outra curiosidade é o Museu dos Ex-Votos, com objetos que remetem a partes do corpo humano, representando as graças alcançadas pelos fiéis.

8 – São Miguel das Missões (RS)

Na época da colônia, os padres jesuítas criaram dezenas de povoados entre Paraguai, Argentina e Brasil. Sete deles estão hoje no Rio Grande do Sul, como São Miguel das Missões, a 480 km de Porto Alegre, onde as ruínas de construções formam um sítio arqueológico. O espetáculo de 48 minutos em frente às ruínas de São Miguel Arcanjo valem o roteiro ao retratar a saga dos jesuítas e dos índios guaranis pela região.

Seguro viagem para não acabar com o passeio

Além de conhecer passagens marcantes da nossa história, os turistas também dedicam parte do seu tempo às compras, para alimentar-se, entre outras opções de lazer.

Fazer um seguro viagem é uma forma de garantir que o seu passeio não acabe se transformando em um perrengue na fila de uma UBS ou em um pronto-socorro, tendo que arcar com gastos imprevistos que muitas vezes um plano de saúde não cobre por estar fora da área de abrangência.

O valor do seguro para viagens nacionais é bastante acessível e o cliente conta com coberturas para despesas médicas, hospitalares e odontológicas, gastos em farmácias e perda de bagagem

A GTA mantém duas modalidades de planos: Nacional 18.000 e Nacional 60.000. São vários tipos de coberturas com custos para os mais variados perfis de viajantes.

Não se esqueça de deixar seu comentário e registrar sua opinião e sugestão sobre qual outro tema gostaria de ver aqui no blog.

Acompanhe também nossas páginas no Facebook, Instagram e YouTube para ficar por dentro de mais conteúdos ligados ao turismo e seguro viagem.

Até o próximo blog post!

 

Post anterior
Uma viagem sem fim chamada amizade
Próximo post
Os destinos mais procurados para lua de mel em 2023
IMPRENSA
OUTROS ARTIGOS